Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

Rua Luis de Camões 68, Praça Tiradentes - Rio de Janeiro

Contato

  • Preto Ícone Facebook
  • Instagram ícone social

Um corpo clínico-artístico: Descarregue-se é a nova residência artística do CMAHO a partir de 24.07

Atualizado: 18 de Jul de 2019

Composto por artistas e profissionais psi que desejam criar práticas de cuidado através de um terro fértil de escuta individual e grupal

A proposta artístico-clínica dos Escutadores no HO pretende utilizar o espaço do

banheiro do Centro Cultural para expor uma instalação/chamada - na forma escrita e

plástica - que funcione como uma provocação e questione os usuários sobre o que

seria considerado necessidade básica para a nossa sobrevivência. O que fazemos

para nos sentir bem? Quais são as suas necessidades básicas?

Para isso, pretendemos colar cartazes nas paredes da parte interna do banheiro que

tragam a idéia do cuidado de si também como uma necessidade básica. Assim como

as necessidades fisiológicas são condições físicas necessárias para a sobrevivência

humana e o bom funcionamento do organismo, as noções de práticas de cuidado

psíquico como a escuta, a conversa, a coletivização do sofrimento também devem

estar associadas a idéia de saúde e necessidade básica.

A partir desse tema, vai ser colocado na instalação um convite divulgando um

encontro que acontecerá semanalmente as quartas-feiras em uma das salas do HO no

período de 13:00 as 15:00 horas no formato de uma vivência de grupo, na presença

de 2 ou 3 integrantes dos Escutadores.

Nossa intenção é promover dinâmicas que incluem conversas e também algumas

práticas de psicomotricidade e vivências artísticas onde as pessoas possam

compartilhar experiências e sensações.

Na sala onde essa dinâmica semanal vai acontecer, deixaremos expostos em uma

lona colocada no chão alguns elementos como objetos, escritos e imagens que

provoquem o questionamento dentro desse eixo temático cuidado/necessidade

básica/arte/escuta. O objetivo é fazer uma exposição de elementos misturados

remetendo a estética do “shopping-chão”, bem conhecido das ruas do Centro do Rio.

Essa exposição vai receber o nome de Shopping Chão (gratuito) do Cuidado. Os

elementos expostos nele devem ser escolhidos, principalmente, ao longo do processo

dos encontros, a partir do que surgir das escutas e do que as pessoas que virão

participar das dinâmicas trarão como idéias para compor essa lona. Assim, a sala

pode sofrer interferências e mudanças considerando o processo das escutas em

grupo.


Além disso, pretendemos também a partir de um contato com os comerciantes,

colocar esse mesmo chamado nos estabelecimentos a volta do centro cultural. Isso

porque a ideia é não só receber as pessoas que circulam pelo HO, mas também

aqueles que estão a sua volta no território e na rotina da Praça Tiradentes.