Programação / 20.07 a 25.08

Atualizado: 22 de Ago de 2018


21.07 - encerramento #BXDFilmaporelas

Exposição em consonância e para divulgação do manifesto Baixada Filma.

Seu pulsante circuito de produção e difusão independente há décadas resiste e reinventa os modos de fazer cultura, botando na roda artistas, técnicos, produtores e trabalhadores da cultura que compõem o elenco das grandes produções fluminenses e nacionais. A exposição reúne a história da produção cinematográfica na baixada pela ótica das mulheres realizadoras, além de uma vídeoinstalação com entrevistas.


21.07 - encerramento Uma câmera na mão e ser-tão mulher da Baixada na cabeça

O projeto foi desenvolvido ao longo de 2017 por Catu Gabriela Rizo, como bolsista da FAPERJ e com orientação da professora Nina Tedesco.

Em um processo de criação que contou com diversas colaborações, a cineasta Catu, se interessou pelo cotidiano que atravessa a trajetória de diversas artistas e produtoras Baixadenses e em como o território Baixada é uma experiência de encontros, confrontos e formação estética. O Sertão aqui é evocado para além de uma paisagem ou trocadilho em si, antes e sobretudo em sua imensidão. Foram seis mulheres-artistas Baixadenses entrevistadas: a escritora, atriz e estudante de Jornalismo, Joana Ribeiro, a professora e artista plástica Ivone Landim, a produtora cultural Giordana Moreira, a artista Lidi de Oliveira, a produtora e diretora Luana Pinheiro e a rapper e poeta Lisa Castro. Duas performances: com as atrizes Fernanda Carvalho e Flaviane Damasceno e a performer Bia Pimenta.

site: http://umacameranamao.strikingly.com/

21.07 - Cineagaó apresenta Canal Plá

O Cineagaó tem como objetivo trazer filmes que se relacionem com a linha de pesquisa artística do CMAHO.

Criada em 1986, a TV Maxambomba foi uma das iniciativas pioneiras de TV comunitária no Brasil atuando por 15 anos com o desafio de realizar vídeos a partir de demandas da população da Baixada Fluminense e exibi-los em praças públicas. Hoje é referência para difusores audiovisuais comunitários como cineclubes e canais de youtube. Nessa sessão, que mistura vídeos da época com referências atuais, convidamos o Canal Plá e integrantes do CEPIP que participaram ativamente da TV Maxambomba.


Curtas exibidos:

- História de Nova Iguaçu - TV Maxambomba

- Dia da Baixada - Canal Plá

- Websérie Trajetos #1 (Laís)  - Canal Plá

- Websérie Trajetos #2 (casal)  - Canal Plá

- Praça do Pacificador - TV Maxambomba

- Sonhos de Criança  TV Maxambomba

- Lula  - Canal Plá


28.07 - encerramento e conversa com a artista / Como recuperar sua alma: Samba, identidade nacional e imagem

Exposição Individual de Ana Clara Tito A artista, através de técnicas de construção e desconstrução da imagem fotográfica, em diálogo com o verossímil, investigou a construção da identidade nacional brasileira, que ocorreu no século XX, a partir da imagem do mestiço, da mestiçagem e de muitas expressões culturais que foram entendidas como mestiças, em especial, o samba.

Trabalho de conclusão do curso de Design (Esdi - Uerj) com Orientação de Zoy Anastassakis, que integra o Programa de Exposições da Plataforma de Emergência. Data: 2 de junho a 28 de julho. Curadoria: Daniele Machado. Curadoria Assistente: João Paulo Ovídio.


No dia 28, de 16h30 às 17h30, haverá uma conversa com a artista que irá apresentar o seu processo de pesquisa cujo resultado pode-se assistir no último dia em cartaz da exposição. A atividade é parte do seminário Metodologias Artísticas: pesquisa, política e invenções.


28, 31.07 e 04.08 - Cineagaó Junho de 2013

28.07 - 15h às 18h SESSÃO DE CURTAS Coletivo Seus Putos (exibição de registros) Tupinambá Lambido Coletivo Coyote Na Marcha das Vadias Coletivo Coyote na Cinelândia 31.07 - 18h às 21h

Sessão extra MST Local: (Espaço de comercialização Terra Crioula - MST-RJ) SESSÃO DE CURTAS A Força das Marias, 6 minutos Batman Pobre - Aldeia Maracanã: O despejo, 6 minutos Do Corpo da Terra - Julia Mariano, 23 minutos Terra Crioula, 2 minutos Desmonte - Mari Cavalcanti, 7 minutos O que não se fala num carro de som, 23 minutos 04.08 - 15h às 18h Paná Panã É tudo mentira - Coletivo No Passarán 11.08 - 15h às 18h Garantia da Lei e da Ordem Julia Murat Todos os dias são meus Ana Alves Riveiro Brasil, 2015, 6 minutos Classificação: LIVRE Sinopse: "Poeira e escombros encobrem uma cidade em constante construção, onde passado e presente se fundem. Histórias foram enterradas, mas ninguém parece se importar. Durante anos, a região central do Rio de Janeiro tornou-se um canteiro de obras. Para onde foram as memórias de nossos ancestrais e para onde iremos sem elas?". Direção: Coletivo Poeira 18.08 - 15h às 18h SESSÃO DE CURTAS Artigo 6o - Não queremos virar estatística Mídia Ninja - MTST Sereias da OcupaMinC RJ Brigada Audiovisual Eduardo Coutinho / MST - Ocupa Rede Globo

Artigo 6o. - Não queremos virar estatística Brasil, 2016, 20 minutos CENSURA: 16 anos Sinopse: O artigo sexto da constituição federal em seu parágrafo único estabelece como direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância e a assistência aos desamparados. Os ocupantes do antigo prédio do IBGE, assim como boa parte da população brasileira, estão desamparados em praticamente todos estes direitos, vivem em apartamentos improvisados, divididos por madeiras e cortinas, sem luz ou água encanada, cercados por lixo e dejetos. As ruínas do complexo ocupado estão localizadas no coração da comunidade da Mangueira, conhecida internacionalmente pela sua tradição no samba. A rotina dos habitantes é a explícita denúncia do descaso das autoridades, principalmente quando em contraste com os recursos públicos empenhados no Maracanã, tão perto e tão longe. Os investimentos erraram de endereço por apenas 15 minutos de caminhada, ou será que esqueceram das prioridades? Com o risco iminente de remoção, o documentário, além de um filme, é uma denúncia. A intenção é chamar a atenção das autoridades e organizações políticas e também sensibilizar a sociedade para que se mobilizem a garantir uma moradia digna para essas famílias. Direção: Vitor Kruter 25.08 - 15h às 18h

Desde Junho Brasil, 2018 3 episódios, 74 minutos Sinopse: A série Desde Junho, dirigida por Julia Mariano e produzida pela Jurubeba Produções com co-produção da Noix Cultura fala sobre um período polêmico da nossa história recente: as Jornadas de Junho de 2013. Na série documental, as manifestações de Junho são revisitadas a partir do material publicado nas redes sociais pelas mídias independentes. O movimento de midiativismo que explodiu em 2013, inaugurou uma nova forma do brasileiro se relacionar com a produção e o consumo de informação. A série DESDE JUNHO organiza o oceano de informações (videos, fotos, posts) disponível nas redes sociais para criar uma narrativa das ruas, que começa em 2013 e segue até os dias de hoje!


CineAgaó - Junho de 2013: cinco anos depois Curadoria: Barbara Vida, Marcela Tavares e Favela Cineclube


04.08 - Abertura / UERJ - Formação 2017

Formação 2017 é o nome da mostra que exibirá a produção dos alunos formandos do curso de Artes Visuais do Instituto de Artes da UERJ. Este ano o Instituto de Artes reativa a parceria com o Centro de Artes Hélio Oiticica iniciada no ano passado com a mostra Formação 2016 e reedita a mostra com os formandos de 2017, exibindo o trabalho de 20 artistas do curso de Artes Visuais.

O Bacharelado em Artes Visuais é cumprido em 4 anos, sendo que o ultimo ano é dedicado a elaboração e aprofundamento das pesquisas individuais. A mostra em questão tem a pretensão de exibir o resultado prático dessas pesquisas.

O projeto contempla ainda o lançamento de uma publicação-catálogo, com textos dos artistas-pesquisadores, imagens das obras e textos dos alunos formandos do curso de História da Arte – resultado da interlocução entre os campos da critica e do fazer artístico no Instituto de Artes. Essa integração conclui-se com o projeto educativo da mostra elaborado pelos formandos do curso de Educação Artística, que realizarão até três atividades para o publico durante o período da mostra.

É previsto uma conversa aberta ao publico entre os artistas, historiadores e arte educadores formandos, juntamente com os professores do Instituto responsáveis pela organização e produção da mostra.


11, 18 e 25 de agosto - Oficinas e seminário (lançamento da publicação, conversa aberta ao publico e atividades do educativo)

13 a 17 de agosto - Defesas dos alunos


Artistas - Amanda Cristina Accioly Videira, Analu Zimmer Fagundes Afonso, Ananda Muylaert Avelar, Andréia Simões de Araujo, Bianca Gonçlves da Silva, Carolina da, Costa Gonçalves, Caroline Martins Pacheco Faria, Clara Machado Alves, Eduardo, Garcia Reis, Eloisa Reis Andrade, Fabiane Dias de Albuquerque, Flora Lyra da Silva Bulcão, Joniel Cavalcante Veras, Maria Clara Soares Monteiro de Barros, Mariana Morais Graça Pereira, Mariana Ramos Vilanova da Costa, Nathan Braga Motta de Paula, Mateus Alves Ferreira, Raquel Silva de Oliveira, Ricardo Augusto Cerqueira Magalhães. Encerra 25.08


Em cartaz - Poemática

Exposição individual do artista e curador Adolfo Montejo Navas.

É dentro de um perfil expansivo do artista – espanhol

de Madri radicado no Brasil há mais de duas décadas e meia, reconhecido como crítico de arte, curador independente e poeta – que ganha especial destaque sua produção visual, de cunho próprio e ininterrupta, como uma contribuição indispensável de uma poética de atuação que nunca deixou de ser plural. Concretamente, por ser escritor, poeta, artista visual, tradutor, crítico de arte, de literatura, pesquisador, estudioso do Brasil, em suma, ser várias coisas ao mesmo tempo, ter sua própria heteronímia em ação. Encerra 11.08


Em cartaz - Junho de 2013: 5 anos depois

Exposição coletiva retrospectiva da produção artística e crítica após as manifestações de junho de 2013.

Diante a atual conjuntura política do país, cabe nos perguntarmos: O que sobrou depois de “2013”? Assim como, o que resta de “2013” nos dias de hoje? Apesar de recente, esse ano provoca ecos, os quais repercutem no dia a dia de todos os brasileiros. Ainda é cedo para uma crítica madura, temos um processo ainda aberto, com muito ainda por ocorrer. Se propõe então um recorte sobre esse legado, a da produção crítica, visual e artística dos últimos cinco anos que sucederam o mês de junho de 2013. Artistas: Ana Hortides, Aline Couri, Cianogaster Noctivaga, Clara Ianni, Daniel Murgel, Davi Marcos, Gustavo Speridião, Lula Wanderley, entre outros. Coordenação Geral e Curadoria: Daniele Machado e Gabriela Lúcio. Co-curadoria: João Paulo Ovídio, Thatiana Napolitano, Letícia Guerra, Camila Vieira, Thiago Fernandes e Marcela Tavares. Encerra 01.09


Em cartaz - 18’ - Linhas Provisórias, Exposição Permanente

Como fazer memória? É a pergunta que orienta este projeto que articula o trabalho de pesquisa sobre a trajetória do Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica: Exposição + Construção do Acervo de Publicações + Digitalização da Documentação + Seminário + Oficinas + Cineclube.

Quinzenalmente às quintas-feiras das 16h às 18h, no hall do térreo do CMAHO -, todo o processo de elaboração e montagem da exposição esta aberto para você participar. A mostra permanente será renovada a cada ano, e quatro artistas que participaram no ano anterior do PEGA - Encontro de Estudantes das Graduações em Artes do Estado do Rio de Janeiro - serão convidados a elaborar trabalhos para compor a exposição. Na edição Dezoito são os artistas: Antonio Amador, Analu Zimmer, Nicolle Crys e Rodrigo Pinheiro. Curadora: Daniele Machado, curadores assistentes: João Paulo Ovídio e Thatiana Napolitano. Encerra 28.02.19




Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

Rua Luis de Camões 68, Praça Tiradentes - Rio de Janeiro

Contato

  • Preto Ícone Facebook
  • Instagram ícone social