Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

Rua Luis de Camões 68, Praça Tiradentes - Rio de Janeiro

Contato

  • Preto Ícone Facebook
  • Instagram ícone social

18’ Linhas Provisórias, Exposição Permanente

Fazer memória é um discurso necessário. Sistematização dos arquivos, produção de textos, de conteúdo audiovisual, artístico, visual, a memória é um ato de construção. Não está dada. Seja a memória do que já passou, seja a memória do que está e virá.

 

A partir do ano de 2013, na gestão de Luciana Adão o CMAHO passou a realizar pesquisas institucionais sobre a própria trajetória através do Coletivo Agaó com a coordenação Mayara Manhães. Em 2015, na gestão de Izabela Pucu em parceria com o Núcleo de Sociologia da Cultura (IFCS/UFRJ) e a sua coordenadora Profª. Drª. Glaucia Villas Boas, foi dado início ao projeto Linhas de Tempos: 20 anos do Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, que seriam completados no ano seguinte, com a coordenação de Daniele Machado.

 

O acervo documental foi organizado e catalogado, sendo transformado em uma intervenção no prédio com linhas de tempo que apresentavam a trajetória da instituição para o público. Além da intervenção, o projeto contou com uma série de entrevistas realizadas com os seguintes ex-gestores do CMAHO: Wanda Klabin, Charles Watson, Paulo Sérgio Duarte, Ana Durães, Brenda Coelho, Luciana Adão e Izabela Pucu. O projeto contou com apoio do edital Viva o talento! (2015) da Secretaria Municipal de Cultura.

Atualmente o projeto Provisório Permanente dá continuidade ao trabalho pela construção da memória do CMAHO, atuando nas seguintes esferas: manter a atualização da documentação a partir dos novos eventos realizados no CMAHO e respectiva sistematização, digitalização da documentação possibilitando a pesquisa através do site para pesquisadores que não possam se deslocar até o CMAHO, ampliação do acervo de publicações através de compra e doações, divulgação e reflexão sobre este acervo através de e seminário anuais, além de debates, cursos, oficinas, cineclube, entre outros – ambas estruturadas pelos núcleos de conteúdo Hélio Oiticica, Richard Serra, História da Arte Contemporânea no Rio de Janeiro, Linhas de Tempos: 20 anos do Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, e Praça Tiradentes e Centro Histórico do Rio de Janeiro. A curadoria é de Daniele Machado, com os assistentes João Paulo Ovídio e Thatiana Napolitano e as pesquisadoras Camila Vieira e Letícia Guerra.

 

Exposição e seminário

A exposição, apesar de permanente, tem seu conteúdo e expografia renovados a cada edição entitulando-se 18’ Linhas Provisórias Exposição Permanente, sendo o número correspondente a cada ano/edição. Os artistas convidados são selecionados a partir do PEGA – Encontro de Estudantes das Graduações em Artes do Estado do Rio de Janeiro, realizado no fim do ano anterior. Na edição 18’ participam os seguintes artistas: Antonio Amador, Analu Zimmer, Nicolle Crys e Rodrigo Pinheiro.

O seminário Como fazer memória? pretende ser um encontro de gestores e trabalhadores de instituições culturais públicas, privadas e independentes, onde serão debatidos os gestos de fazer memória institucionais, seus limites, fronteiras e tangenciamentos, ocorrendo sempre no mês de setembro, mês comemorativo do aniversário do CMAHO.

Linha editorial Agaó

A linha editorial será composta das publicações decorrentes das pesquisas realizadas pela instituição a partir do grupo de pesquisa De / Sobre / Feitas por Mulheres, do projeto Provisório Permanente, do PEGA – Encontro de Estudantes das Graduações em Artes do Estado do Rio de Janeiro, Relatórios de Gestão, entre outros projetos de pesquisa.